África quer maior acesso das crianças às vacinas

Fev 1 • Home menu, Mundo, STP • 282 Views • Sem comentários em África quer maior acesso das crianças às vacinas

 

Aumentar o investimento e acesso à imunização é uma da principais decisões inscritas na declaração de Adis Abeba sobre a imunização (Declaração sobre “O Acesso Universal à Vacinação como Pedra Basilar da Saúde e do Desenvolvimento em África”), apresentada e discutida durante a 28ª cimeira da União Africana que terminou esta terça-feira (31).

É uma decisão histórica assumida pelo conjunto de técnicos e Chefes de Estados e Governos  que tomaram parte na 28ª cimeira da União Africana realizada na capital Etiópia.

Para a Presidente cessante da União, a sul africana Dlamini-Zuma, ” o acesso universal à imunização é exequível”

“A Declaração de Adis sobre a Imunização é uma promessa histórica. Com vontade política aos mais altos níveis, estamos mais perto do que nunca a garantir que todas as crianças em África tenham as mesmas oportunidades a uma vida saudável e produtiva”, afirmou Zuma.

A posição é corroborada pela diretora regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), para África, Matshidiso Moeti, ao garantir que “as vacinas estão entre os instrumentos mais eficazes de saúde pública disponíveis”.

“Quando as crianças começam a crescer saudáveis, as comunidades prosperam e as economias crescem mais. Esta demonstração de apoio dos Chefes de Estados é um passo importante na prossecução dos nossos esforços para alcançar o acesso universal à imunização e, em última análise, melhorar a saúde das crianças e promover o desenvolvimento sustentável em toda a África”, assegurou a diretora Moeti.

Entre as recomendações, o documento insta os países africanos a aumentarem o investimento político e financeiro nos seus programas de imunização. Pede sobretudo um reforço do financiamento relacionado com as vacinas, as cadeias de aprovisionamento e os sistemas de distribuição, no sentido de fazer do acesso universal às vacinas um pilar fundamental dos esforços da saúde e do desenvolvimento.

Um dos bons exemplos neste sentido em África é a própria Etiópia anfitriã da cimeira da União Africana. Em 2010, construiu 16 000 novos centros de saúde, comprou 2 000 frigoríficos alimentados a energia solar para o armazenamento de vacinas e criou uma rede de milhões de agentes e voluntários de saúde ao nível comunitário para aumentar o acesso à imunização em todo o país.  Registou ganhos extraordinários, com taxas de imunização que passaram de 61% em 2010, para 86% em 2015.

São Tomé e Príncipe,  representado na cimeira pelo primeiro-ministro Patrice Trovoada, tem sido também nos últimos 15 anos, um país modelo neste domínio ao registar uma taxa de imunização quase sempre superior a 90%. O leitor pode confirmar os dados da UNICEF disponíveis sobre São Tomé e Príncipe no link:http://apps.who.int/immunization_monitoring/globalsummary/estimates?c=STP onde toma-se como base padrão (DTP3).

O leitor pode consultar a declaração “O Acesso Universal à Vacinação como Pedra Basilar da Saúde e do Desenvolvimento em África” no link:http://immunizationinafrica2016.org/ministerial-declaration-portuguese

Brany Cunha Lisboa

foto: google

 

Artigo relacionado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

« »