Um ladrão e dois poderes

Fev 26 • Política, STP • 595 Views • 2 comentários em Um ladrão e dois poderes

Esta semana, tornou-se notícia mais um episódio das querelas pessoais de Patrice Trovoada e Manuel Pinto da Costa, desta vez em forma de crise institucional motivada por um suposto ladrão.

É público o sentimento mútuo de repulsa que tanto o primeiro-ministro como o Presidente da República alimentam. Há quem diga que as divergências foram mesmo herdadas do diferendo Pinto da Costa/Miguel Trovoada que se iniciou após a queda do regime português em 1975 e com a indigitação do primeiro para chefe de Estado, passando depois pela perseguição e prisão do segundo, ainda durante a primeira República. A situação agudizou-se ainda mais na relação Pinto da Costa/Patrice Trovoada durante os últimos governos do ADI.

Entretanto, o aumento de tensão entre estes dois órgãos de soberania trás também para cima da mesa questões como o assumir de querelas pessoais enquanto instituições e não como pessoas individuais, mas, e sobretudo, o aumento da insegurança social no seio das populações. Estará São Tomé e Príncipe perante uma mudança do paradigma? Será que a imagem de um país friendly que o arquipélago vem cultivando ao longo dos tempos está agora a ser substituída por um novo quadro de criminalidade desenfreada? São questões que julgo pertinentes para análise dos leitores. No entanto, eu, que já tirei as minhas conclusões, estou convicto que sim. Os tempos são outros, as artimanhas e a astúcia dos aspirantes a delinquentes também estão cada vez mais apuradas.

As autoridades deverão encontrar em conjunto, cada uma na sua área de atuação, condições para fazer frente a essa nova face do país, indo, por exemplo, às causas. Fazer estudos psicossociais sobre as potenciais causas deste aumento da criminalidade poderia ser um passo na luta contra este fenómeno.

O facto de um suposto ladrão estar entre dois poderes não deveria ser suficiente para uma novela, sobretudo quando estamos todos fartos dos capítulos em reposição. Um ladrão e dois poderes podia até ser o título de uma nova novela, mas todos já sabemos que em causa não estão nem a instituição governo nem a instituição Presidente da República, mas sim mágoas antigas e pessoais entre Patrice Trovoada e Pinto da Costa, que aproveitando o palco mediático apresentam de parte a parte os seus show-off`s.

O país, em 40 de independência, continua a produzir apenas 10% do seu PIB, dependendo dessa forma quase que exclusivamente dos parceiros internacionais para mais de 90% dos seus orçamentos de Estado. É altura de cada um assumir os seus conflitos pessoais e dirimi-los em sede própria. Enquanto instituições, começar a trabalhar com afinco e com interesse estratégico para um verdadeiro bem de São Tomé e Príncipe.

Brany Cunha Lisboa

Artigo relacionado

2 Responses to Um ladrão e dois poderes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

« »